Entre outubro de 2006 e fevereiro de 2007, o pai voluntariamente pagou pensão alimentícia para sua filha num valor total de RS 25.550,00, ou R$ 5.110,00 por mês.

Quando ele perdeu o emprego em fevereiro de 2007, a mãe da criança decidiu entrar com um processo contra o ex-marido para ter pensão alimentícia para sua filha. Ela disse ao juiz o seguinte:

        • A criança frequentemente fica com fome, pois o pai não paga a pensão alimentícia!
        • Ela tentou fazer um acordo com ele, mas foi impossível (na verdade, desde 2006 até os dias de hoje, a mãe da criança não fez nada para chegar a um acordo com o ex-marido. Todas as aproximadamente 35 cartas enviadas a ela pelo ex-marido numa tentativa de acordo ficaram sem resposta.)
        • Ela relatou que ganha R$ 2.000,00 por mês, quando o sua renda mensal é de mais de R$ 5.700,00.
        • A mãe da criança solicitou pensão alimentícia no montante de R$ 6.150,00 por mês. A lista com os itens que ela entregou foi despropositada, nenhum dos itens teve o valor real, verdadeiro.  A despesa com a babá, por exemplo, teve um ágio de 100 %.